Turista ou Viajante

viajante

Todo mundo já deve ter ouvido algo sobre aquela velha teoria que diferencia o turista do viajante. Pois é, quem cai na estrada de forma independente costuma carregar na mala escolhas que o torna muito mais ambicioso do quem compra na internet um pacote turístico de sete dias em um paraíso all inclusive.  Não que o viajante tenha algo contra os “paraísos” vendidos nos pacotes turísticos! Ele só tem outros métodos e rituais para desfrutá-los.

Enquanto os turistas colecionam cartões postais e novos clicks para o álbum de família (ou do facebook), o viajante estaria colocando em prática uma filosofia de vida. Para ele, sair pelo mundo, desbravar, descobrir pessoas, lugares e histórias se torna quase uma tradição, um ritual de passagem.

Isso porque o viajante encara a estrada como uma grande oportunidade de descobertas, aprendizado, convivência e autoconhecimento. É o tipo de pessoa que nem cogita parar de viajar porque não tem tempo, não tem dinheiro, está muito velha para isso ou não tem um bom parceiro de viagens. Tenha 18 ou 98  anos, a única restrição é a saúde. Se você tem o corpo e a cabeça saudável, é jovem, pronto – e ponto. Justificativas sempre existem. O que o verdadeiro viajante nos prova é que são todas pequenas, perto do que se ganha investindo numa viagem. O mundo está ao seu alcance. E por que não conhecê-lo de forma pacifista, ecológica, criativa e aberta aos mais diferentes tipos de experiência?

O viajante não é só aquele que está disposto a abrir mão do conforto se for preciso, aquele que desfruta o caminho, que quer experimentar novos sabores, que adora improvisar um roteiro. É aquele que não deixa lixo para trás, não compra brigas com os moradores locais (ou vizinhos de barraca), não polui a água, faz fogueiras em locais perigosos, nem liga o som no último volume quando todo mundo está dormindo. Muito pelo contrário, ele cuida dos espaços e cultiva boas relações simplesmente porque ele adota os lugares que conhece como novos quintais da sua casa.

A cada dia no camping, a cada pessoa que conhecemos, cada história que ouvimos, essa teoria faz mais sentido. Dos jovens do mundo com suas mochilas lotadas de sonhos e guias de viagem, aos avós aproveitando a beça a varanda de seus trailers super confortáveis, com os amigos e netos, a impressão é uma só: gente inspiradora.

No bate-papo com um campista ou outro, descobrimos que ter um trailer é não só ter o mundo como jardim, mas que as principais flores são os amigos que se cultivam pelas viagens. Descobrimos que viajar com quatro filhos e uma barraca a tira colo, não só pode ser moleza, como também muito divertido. Por isso, percebemos que viajar é, sim, um estilo de vida.

Em posts próximos vamos contar um pouco sobre algumas famílias que adotaram o camping do Rio Vermelho como um jardim de suas vidas e você vai entender melhor do que estamos falando. Por enquanto, nossa mensagem é:

SAIA DE CASA.
VIAJE.
INTERAJA.
EXPERIMENTE.
COMPREENDA.
EXPANDA OS HORIZONTES.

Hospede-se em  uma barraca em cima do carro, em um trailer, em uma montanha, em hostels, em campings. E volte. Volte uma pessoa melhor. Mais interessante. Mais aberta. Mais saudável. Se Florianópolis estiver nos seus planos, nós estamos de “portas” abertas e árvores a postos só te esperando para que você possa desfrutar da sombra.

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s